quarta-feira, 3 de novembro de 2010

A Energia Sexual e os videntes toltecas

A energia sexual é um tema de natureza oculta e portanto sempre resistiu a ser submetida aos processos de análise e entendimento das diversas culturas. Ela sempre provoca uma discordância, senão um conflito entre os aprendizes e mesmo “mestres” das “escolas” de trabalho interior.
É considerada pelas tradições genuínas como a própria energia da criação do Universo, e portanto tingida pelo mesmo mistério primordial do nascimento, existência e finalidade do cosmos.
Os círculos mais esotéricos das tradições, que apropriadamente a compreendem  como uma energia neutra e portanto sem conotações de bem ou mal, obviamente não tem meios de passar esse conceito de entendimento para os níveis exotéricos (exteriores) do grupo social . Isso fica então, infelizmente, a cargo das religiões, culturas, escolas, famílias e demais grupos de “socialização”, que passam a mensagem sempre acompanhada das noções de moral, controle social, culpa, julgamento e penas pelo que consideram o seu “mau uso”. Sem falar no poder disfarçado desejado e exercido por esses grupos através do “ensinamento”.
Os toltecas, ou os Videntes do Antigo México, uma tradição comparável às mais antigas do planeta, e da qual Castaneda é o expoente mais conhecido atualmente, tem uma visão muito particular e precisa sobre a energia sexual. Ela é exposta nos 12 livros que compõem a obra, e mais 3 dos aprendizes diretos (Florinda Donner-Grau, Taisha Abelar e o índio Armando Torres).
De acordo com essa visão, há dois conceitos importantes que irão definir o que fazer para usar de forma adequada a energia sexual, com vistas ao desenvolvimento interior:
  • Primeiro: não há uma “questão sexual” genérica, mas casos particulares individuais conforme se a pessoa foi ou não gerada por uma relação sexual energética (amorosa) ou aborrecida (habitual) de seus pais. Nesta última hipótese a pessoa terá pouca energia para usar no seu desenvolvimento interior e deverá então economizar a pouca energia que tem, de preferência praticando o celibato. Na outra hipótese, não.
  • Segundo: há também uma diferença de tipo, se você for, por natureza, ou um sonhador (ou contemplativo) ou um espreitador (ou ativo). No primeiro caso o aprendiz deve economizar a energia, no segundo não é necessário. Aqui se compreende a inutilidade das teorias modernas dos "sexólogos" divorciada da tradição de trabalho interior.
Don Genaro dizia jocosamente a Castaneda (O Fogo Interior, pag. 65) que ele era um caso de celibato:
"- O nagual Julian costumava afirmar que fazer sexo é uma questão de energia - começou Genaro. - Por exemplo, ele nunca tinha quaisquer problemas em fazer sexo, porque possuía enormes quantidades de energia. Mas olhou para mim e determinou imediatamente que "o meu pinto era apenas para mijar". Disse-me que meus pais estavam muito aborrecidos e muito cansados quando me fizeram; disse que eu era o resultado de uma relação muito aborrecida, uma "cojida aburrida".
O que compete a cada um parece ser "como estrategicamente descobrir qual é o seu tipo individual", e agir da forma mais impecável conforme o caso, economizando (ou não) a energia, e canalizando-a para o seu desenvolvimento interior.

18 comentários:

  1. poderíamos salientar tbm a alternativa gnóstica tantrica. q consiste, meramente, em sair do ato sexual, nos classicos dizeres gnósticos: "sem derramar o Vaso de Hermes". dizem ser dificilimo a pratica da "maithuna" sem a orientação e presença fisica de instrutor-hierofante; mas nao é bem assim: um curto periodo de experimentação e investigação, e a coisa se resume em saber identificar a tempo o que é o revigorante e suave trabalho de transmutação e, (valha-me Deus!) a caótica tormenta incontrolável dos espasmos eróticos q precipitam a energia do Adepto nos abismos atomicos;(nao quero ocupar muito espaço: os gnósticos entendem q a cada "emissão' uma multidão de átomos angelicais é atirado fora e substituído por átomos diabólicos. (esses gnósticos. tenho q admitir q o vocabulário deles é pavoroso, destinado a incutir medos bíblicos nas pessoas. mas acaba sendo meio didático.o celibato é algo muito severo. digo, talvez seja bom p a pessoa (em dado momento) engatar uma fase de celibato restaurativo. mas deflagar o celibato pro resto da existencia, penso q é até perigoso. somente em condições muito bem planejadas, depois de anos de impecabilidade, mais lá pelo final do caminho...

    ResponderExcluir
  2. de boa, amigo preto: o que penso é que é muito dificil passar tres meses de total celibato sem sofrer de poluções noturnas (ataques de súcubos/íncubos), ou manter-se calmo e sereno na adversidade (fica-se meio a flor da pele, faz-se besteiras, sobretudo em ambientes cheios de gente: a chamada ansiedade social). não é uma desculpa esfarrapada e luxuriosa. além do mais, o celibato só te permite acumular energia. mas é necessário transmut-a-la (fenomeno da seminização do cérebro, via ascensão da Kundalini). a meditação não transmuta energia. as respirações, relativamente. (mas é claro que o celibato enche a pessoa de energia, e essa energia pode ser usdada para ativar a gladula pineal e visualizar o fogo (q tanta polemica causou na outra postagem,rsss

    ResponderExcluir
  3. O celibato é uma decisão que a pessoa toma, sustentada pela certeza do que quer com isso. Não tem imperativo biológico que vença um intento inquebrantável. Para sustentar esse intento tem que ter energia. O corpo tem seu ciclo de energia como as fases da lua. Quando a energia está muito ativa no corpo e a pessoa se sente incomodada e precisando alivia-la, é a hora de aplicar o comando do seu intento e canalizar a energia para outra atividade. Duas ou três vezes que fizer, o corpo já pega o espírito da coisa e se tranqüiliza. Tudo o que explica para o corpo com uma mente amorosa ele absorve sem sofrimento. Como uma criança. Na verdade a dificuldade do celibato é porque o individuo humano tem o sexo na cabeça e não no seu devido lugar. Quando surge a energia, já vai logo pensar “naquilo”, pronto não há celibato que agüente.

    ResponderExcluir
  4. Elegantíssima e ponderadíssima Luara,

    Concordo com vcs dois. O celibato é uma decisão de aço. Eu tbm opero sobre uma solida base celibatária. Só deus sabe como o celibato (a energia acumulada) me ajudou a vencer batalhas. Mas a questão do tantra, não é que volta e meia eu pense “naquilo”; nem acho que “aquilo” somos nós q pensamos, e aí teríamos q entrar naquestão um pouco mais cavernosa dos predadores. mas, como diz aí em cima o Nagual Julian, fazer sexo é uma questão de energia. Só quis dizer que, se o caso for fazer, pode-se optar pela alternativa tântrica – forma definitivamente mais elevada e pura (e energeticamente econômica) de fazer Amor.
    No vídeo abaixo, inúmeros exemplos de atividades para as quais a energia sexual pode ser canalizada. –brincadeira, hein, Luara... mas vale a pena assistir.

    http://www.youtube.com/watch?v=7qHL2PSpecI&feature=fvsr

    abraço

    ResponderExcluir
  5. Êh guerreira mais decidida. É um samurai. Parece o Myiamoto Musashi...

    ResponderExcluir
  6. Quando eu faço alguma coisa contradizendo meu intento, estou dando força para a mente, eu não culpo os predadores, eles estão na função deles, aí entra o intento inquebrantável. Eu tenho porque tenho, que ser soberana do meu interior, ter meu arbítrio consciente. Chega de deixar a mente mandar na casa. Então quando penso naquilo, mas decidi pelo celibato, estou me sacaneando.

    Legal Matheus, a sugestão de alternativas. Vou ver o vídeo.

    Aí Preto. Não me leve a serio demais rapaaaz, com essa de samurai.

    ResponderExcluir
  7. tem razao, nao devemos culpa-los. devemos esgota-los.
    no caso da alternativa tantrica, não se deve busca-la quando se pensa naquilo. alias, caso pense naquilo, nao se deve absolutamente busca-la. o objetivo "daquilo" é o orgasmo. o objetivo do tantra éó extase energético.

    nao q o objetivo do celibato seja quebrar tijolos na cabeça. rsss

    ResponderExcluir
  8. Olha, só para lembrar. Do novo livro do Armando: A Meta dos Ticis
    “Para os humanos, não existe mais que a energia sexual. Essa energia pode ser gasta como normalmente fazem os mundanos , ou pode ser acumulada e transmutada a outros níveis.”
    “O desafio consiste em transformar essa energia, move-la de um centro para outro até completar o circuito

    ResponderExcluir
  9. e, na opiniao dele, quais seriam os meios de transmutar a energia sexual?

    ResponderExcluir
  10. É sobre os ensinamentos ocultos da coluna vertebral.
    Os Ticis, que eram como chamavam os doutores da antiguidade, usavam o esquema de mover a energia de um centro ao outro e essa era a regra para eles. De acordo com os videntes, temos oito centros principais, a regra diz que a pessoa deve partir de abaixo do primeiro centro, passando pelo segundo e assim sucessivamente até alcançar o último escalão, assim é como se consegue destapar a vidência e alcançar todo o potencial a que estamos destinados como seres luminosos. O melhor é vc ler livro.

    ResponderExcluir
  11. nao sabe como fico aliviado de ler vossa explicação. fiquei com medo do Amigo Armando ter construído alguma teoria de ficção científica sobre o tema. nao vou ler o livro, Luara. o que ele está dizendo é exatamente a mesma coisa que as tradições antigas de todos os povos dizem. a Ascenção da energia kundalini (a serpente ignea de nossos magicos poderes). para os indianos, os que melhor detalharam esse assunto, a kundalini é uma energia que, numa pessoa degradada, fica tres voltas e meia enroscada no canal entre o orgao genitor e o excretor. a medida que acumulamos energia, ela começa a ascender através da coluna vertebral (através dos sete principais chakras, a começar pelo chakra coccíneo. ela é chamada de serpente, porque, ao chegar na altura das omoplatas, os videntes que a enxergam diretamente, percebem que ela se abre como uma serpente naja, cobrindo a cabeça da pessoa e despertando os outros chakras: laringeo, entrecenho (frontal:o da clarividencia/glandula pineal) e o coronário, que na tradição cristá está representada pelo anel de ouro sobre acabeça dos santos. na obra do Dr. Salvi, ao explanafrsobre o topico, ele nos explica que o mito da serpente emplumada tolteca, a kundalini indiana e ocaduceu hwebraico(aqueles duas serpentes com asas no alto) são exatamente a mesma coisa. a medida que ela passa pelo chakras, os sete principais ao longo da coluna até chegar na cabeça) vai despertando nossas pontencialidades (por isso, a serpente ignea de nossos magicos poderes). nao há duvida quanto realidade Una da Sabedoria Universal por trás de cada tadição. por isso falei tanto sobre o tantra, que na maioria das tradições (indiana, taoísta, egipicia, gnostica, ,etc) é a forma mais rapida ecorrente de se transmutar energia sexual.
    é sério, eu já nao realizo mais leituras sobre o caminho. já enchi dois cadernos de navegação e com eles convivi muito tempo. mas uma hora, tudo isso começa a ficar obssessivo demais: leituras, anotações, etc. o caminho do guerreiro é simples. cabe dentro do silencio.
    putz, ficou grande. mas foi poruma boa causa
    abraço

    ResponderExcluir
  12. Matheus
    O livro não fala disso. É só duas folhinhas para falar dos Ticis. Mas o livro está cheio de novidades que pode nos abrir os olhos. Eu achei maravilhosissimo. Essa parte que te falei é a que menos me serviu.

    ResponderExcluir
  13. eu entendo, Luara.
    li o primeiro livro do Armando e achei indiscutivelmente brilhante, claro, objetivo.
    mas nesse mesmo primeiro livro do Armando, ele ou o Castaneda falam de uma coisa chamada Saturação Conceitual. eu acho que, depois alguns anos lendo todas essas coisas freneticamente, cheguei num grau de saturação suficiente pra mim. internalizei a sintaxe tolteca. ora, vc tbm. e o amigo preto tbm. mas vcs nao ficam compulsivos com essa atividade. eu sim, e me faz muito mal. atiça muito meu diálogo interno. tenho uma natureza obsessiva. já tive uma relação muito profunda com livros. livros de literatura ocidental, nao de toltequidade. quando decidi abandonar de vez as leituras e a escrita, percebi a quantidade de energia que q estava presa naquelas atividades-obssessões. tudo q leio ocmeça a querer aontropofagar, digerir, reescrever e por fim tornar meu. é o maldito ego se se contorcendo e me chicoteando com sua calda, nas palavras de Dom Juan. por isso, desde entao, olho todos os livros com muito respeito, mas desenvolvi uma espécie distancia estratégica.
    é o preço q tenho q pagar por ter ficado dos treze aos vinte seis anos tentando superar o Dostoiéviski e me tornar o maior escritor de todos os tempos.

    kkkkkkkk

    reli a minha ultima postagem. nao quis de forma alguma dar aula de nada. pobre de mim.
    confiante no seu miraculoso poder de discernimento, nobreza d´Alma e perdão

    ResponderExcluir
  14. Está certo Matheus, vc descreveu tão bem a sua situação que até sou a favor de que não leia mesmo. Qué isso Matheus, nem se preocupe porque vc escreveu muito, e possa parecer que vc esteja dando aula. Vc tem direito de se expressar do seu jeito, sempre, em qualquer lugar. Dá pra saber que vc está na luta mano, é por aí mesmo.. Na verdade nosso papo já está bem dizer terminado aqui. A gente fala em outro tema desses super quentes que o preto vem postando. Aí preto obrigada pela oportunidade deste espaço. Um abraço Matheus.
    Luara

    ResponderExcluir
  15. relaxa luara, estas com as garras afiadissimas

    ResponderExcluir
  16. Olá. E se praticar a retenção seminal, é possível ter o prazer sexual e ainda assim se manter forte e saudável?

    ResponderExcluir
  17. Ótimos comentários galera !!
    Aprendendo aqui com vocês ...
    Intento

    ResponderExcluir