domingo, 29 de dezembro de 2013

Biografias "Malditas" - Nikola Tesla

Nikola Tesla é um dos exemplos de ser humano despojado. Demoramos muito para publicar algo sobre ele, já que ele reunia características que consideramos fascinantes: era um gênio comparável a Einstein, mas extremamente prático e “fazedor”, visionário,  reservado, honesto e abnegado a serviço da humanidade. Desde garoto trabalhou o seu interior persistentemente para organizar a sua mente que era assaltada por energias dispersivas e estranhas, e teve sucesso. Não era um homem comum e não se sabe se teve alguma orientação interior externa ou interna, esta talvez proveniente de outras vidas. Infelizmente  foi frustrado pela mão oculta do sistema capitalista americano que o sabotou através de um homenzinho enganador mas famoso, Thomas Edison e outros desonestos do mesmo naipe, como J.P. Morgan, e dos outros grupos que mantém a hegemonia do poder no mundo  atualmente. Nada de novo sob o sol.
Tesla disse: "Antes que desapareçam muitas gerações, as nossas máquinas vão ser movidas pela força a partir de qualquer ponto do Universo. Em todo o Universo existe energia".
A revista Nexus Magazine afirma e pergunta: "Nicola Tesla era considerado como uma das pessoas mais conhecidas do mundo. Hoje em dia desapareceu dos nossos livros científicos e de toda e qualquer literatura. Que foi que descobriu e porque caiu no esquecimento do público? "
Terá existido na História da humanidade alguém que tenha tornado possível o sonho do ser humano, em obter energia livre e gratuita?
Porque é que hoje em dia apenas as descobertas de alta tecnologia têm sucesso, como os aparelhos informáticos, telemóveis e vivemos no entanto, com uma energia obsoleta, velha, contaminante e sem avanços visíveis a favor do ser humano?
Porque é que as patentes de inventos, ou invenções eficazes, são rapidamente compradas e guardadas nas gavetas do esquecimento?
Perguntas que têm como resposta uma realidade tenebrosa, que persiste hoje em dia como uma grande mão negra que se estende até às raízes mais profundas de uma sociedade que cala e consente.
No seu livro Minhas Invenções, Tesla retoma às suas primeiras lembranças para relatar a origem de seu método criativo. Conta como, ainda na infância, vivida em seu país natal - o Império Austro-Húngaro, hoje Croácia - aprendeu a dominar uma estranha perturbação, que embotava seu raciocínio, e transformá-la em ponto favorável a sua criatividade.
Tesla era assaltado com frequência por visões de imagens quase tangíveis, em geral acompanhadas de fortes clarões de luz, de objetos e cenas que designavam palavras ouvidas no cotidiano. Para tentar livrar-se do problema, ele passou a se concentrar nas imagens, fixando-as em sua mente. Era o processo de manter a presença na imagem, "aquilo que é, que se apresenta" no vazio e com isso deixar de ser arrastado pelos pensamento: o Conhecimento Silencioso de Castaneda. Eckhart Tolle fala disso todo o tempo.
A técnica o ajudaria a desenvolver um sistema criativo ímpar: "Um método de materialização de conceitos e ideias inventivas mais eficiente do que o experimental". Tesla "construía" seus projetos na imaginação, de modo tão vívido que podia aprimorá-los e operá-los mentalmente: "É absolutamente irrelevante para mim se testo a minha turbina em pensamento ou na oficina".
Tesla tinha apenas oito anos quando percebeu que podia subjugar a própria mente. Nessa época, estimulado pela leitura de certo livro, ele aprendeu a praticar o autocontrole: "No início, meus desejos tinham de ser dominados, mas aos poucos o desejo e a vontade tornaram-se idênticos . Depois de anos nessa disciplina, obtive um domínio tão completo de mim mesmo, que brincava com paixões que teriam significado a destruição para os homens mais fortes". Dom Juan e Gurdjieff devem estar rindo no túmulo. 
Além de Física e Matemática, Tesla estudou Filosofia. Atuou como engenheiro elétrico na Hungria, França e Alemanha e, nos Estados Unidos, para onde se mudou em 1884, trabalharia com Thomas Edson, que se tornaria seu rival. Edson defendia um sistema de transmissão de potência de corrente contínua, inferior ao criado por Tesla em 1888, de corrente alternada. Este sistema está na base do projeto, desenvolvido por Tesla, dos geradores das Cataratas do Niágara. Patenteada em seguida por George Westinghouse, a tecnologia ainda hoje fundamenta a indústria de energia elétrica.
Nikola Tesla nasceu a 10 de Julho de 1856, por volta da meia noite, numa pequena aldeia chamada Smiljan, na Croácia. Estudou em Gratz e Viena e terminou os estudos em Paris.
O físico trabalhou desde 1884 como assistente de Thomas Edison. Mais tarde criou o seu próprio laboratório em Nova York. Em 1891 tinha já inventado uma quantidade de aparelhos de grande utilidade.
Tesla anunciou numa conferência de imprensa, um motor de raios cósmicos, quando lhe perguntaram se era mais poderoso que o radiômetro de Crooke, ele contestou: "Mil vezes mais poderoso!"
Em 1891 patenteou o que se poderia ter convertido na sua mais poderosa invenção: A base para a transmissão sem fio de corrente eléctrica, a Bobina Transformadora Tesla.
Ele disse: “…Em todo o universo há energia: é esta estática ou cinética? no primeiro caso as nossas esperanças são vãs, no segundo - e isto sabemos com certeza - não é mais que uma questão de tempo, que os homens tenham êxito em sincronizar a sua maquinaria com as engrenagens da Natureza”.
A exemplo de Santos Dumont, outro gênio incompreendido, sabotado e enganado pela própria História que apesar de todas as evidências registradas considera os irmãos Wright como primeiros a testar "o aparelho voador mais pesado que o ar", Tesla valorizava e afirmava que os seus inventos ajudariam a humanidade, acima de qualquer prêmio ou reconhecimento, inclusive econômico; o que naquela época e muito menos hoje em dia, nenhum cientista ou inventor estaria disposto a oferecer à sociedade.
E foi este e não outro, o seu erro.
O seu coração era tão grande como a sua inteligência e as suas invenções, muitas delas, foram esquecidas pela pobreza em que viveu a sua última etapa da vida, a sua velhice.
Tesla estava fascinado pela energia radiante e sua possibilidade de se converter em energia livre e gratuita. Sabia que era possível captar energia diretamente: “conectando-se com a verdadeira força da natureza”. A "Nave Terra", precisava de um plano de voo moderno. Tesla queria ajudar as nações menos privilegiadas. Sabia que milhares de pessoas morrem de fome todos os dias e muitas delas, crianças.
Os que dirigem a nossa economia - pensava Nikola Tesla - no mundo ocidental, permitem-nos desfrutar de um alto nível de vida e de prazer, comparando com os nossos vizinhos, que vivem abaixo da linha imaginária a que chamamos limite.
A energia dirige a economia das nações e a meta da vida de Tesla, foi tornar a energia elétrica igualmente acessível e disponível para todas as pessoas em qualquer lugar do planeta e foi isso que o condenou. Foi objeto direto de ataques pessoais, de tentativas para manchar a sua brilhante carreira e reputação e acabaram por isolar Tesla, na mais absoluta miséria.
No entanto, perante as adversidades continuou a promover o seu plano para a transmissão sem fio de energia.
Porque é que a energia não é acessível para todas as pessoas e para todas as nações?
Porque nunca se materializaram os tão recomendados dispositivos de energia livre descritos por Tom Bearden, John Bedini, Bruce DePalma e outros?
Nikola era um homem cheio de contrariedades, sério e reservado, mas também encantador. Ainda que solitário, sabia atrair as pessoas que o rodeavam. Alto e magro, sempre perfeitamente vestido, com postura aristocrática e com elegância, chamava a atenção. Morreu aos 86 anos.
As suas invenções e teorias foram esquecidas pela Humanidade. Porquê? O que se passou na realidade?
Durante uma temporada Tesla trabalhou com Edison e admirava-o. Mas Edison não o respeitava e fazia-o trabalhar 18 horas por dia durante os sete dias da semana, solucionando os problemas técnicos que apareciam.
Tesla descreveu como podia melhorar o efeito do gerador de Edison ao que este respondeu:
“Dou-lhe 50.000 dólares se o conseguir fazer” Depois de meses de trabalho Nikola Tesla conseguiu. Edison sem lhe dar o dinheiro prometido, disse:“Tesla, você não entende o sentido de humor dos norte-americanos”. Diante disto, Tesla despediu-se. Edison humilhou o grande cérebro de Tesla, a sua arma era a humilhação. Ele começou a trabalhar então na construção cavando valetas e mais tarde criou o seu próprio laboratório. Mas os monopolistas da energia, tinham muito poder e nenhum deles queria mudanças.
Tesla dizia que podia transmitir notícias e energia sem usar fios, mas os magnatas banqueiros tinham já comprado as minas de cobre, para cobrir grande parte do país com redes de cabos para a distribuição de energia. Continuou a desenvolver a transmissão de energia gratuita para todo o mundo, no laboratório que construiu em 1889 nas montanhas de Colorado Springs.
Criou uma torre de alta tensão para demostrar o transporte de energia sem cabos e gratuito e ao pedir mais dinheiro para seguir com as investigações, negaram-lhe (Warburg, o banqueiro) com intenção premeditada. O projeto “Wardenclyffe”, assim chamado, teve que ser abandonado por falta de orçamento e a sua torre foi destruída.
Em 1934 Tesla foi entrevistado no “The Times” e disse: “Espero viver o tempo suficiente até ser capaz de colocar um aparelho nesta casa, que comece a trabalhar com a energia dos veículos que se movem ao seu redor”.
Quando Nikola morreu, as suas grandes invenções dos dez últimos anos foram deliberadamente esquecidas e ainda fizeram com que Tesla fosse recordado pela sua excentricidade.
Dois feitos importantes fizeram cair sobre ele todo o peso do "esquecimento":

  • A sua negação em enviar qualquer artigo à comunidade acadêmica e científica, fazendo com que estas se opusessem a todas a suas invenções por magníficas que fossem. Um bando de classistas arrogantes.
  • A sua constante preocupação em obter uma energia livre, gratuita para todo o mundo, algo que logicamente os amos e senhores do poder econômico, não estavam dispostos a permitir num mundo já canalizado para ser explorado só por eles.

Na sua morte, a história manipulada tentou manchar a sua aura e exaltou homens como Edison, que foi proclamado o pai da energia e que se uniu sem remorso às críticas contra Tesla, apesar de que sem ele, Edison nunca teria sido ninguém. Um empresário de sucesso, mas medíocre e desonesto, só admirado por americanos e mal informados.
Em 1901 Marconi enviou o seu famoso rádio sinal, dizendo ter inventado a rádio .Mas utilizou 17 patentes de Tesla, que ingenuamente deixou-o trabalhar em seu laboratório com sua equipe, mas a Corte Suprema corrigiu o erro em 1943 depois da morte de Tesla. Apesar deste veredicto, a história encarregou-se de esconder este grande homem, que trabalhava para a humanidade e não para seu próprio benefício ou de uns poucos. Foi contra a corrente e por isso, condenaram-no ao destino do esquecimento.
Nikola Tesla acreditava nas suas invenções para o beneficio da humanidade. Por isso não estava de acordo com a indústria daquela época, que via os seus trabalhos como um grande perigo para as suas fontes de renda.
A situação não mudou hoje em dia. As grandes multinacionais não permitem que se conheça ou que se ponha em prática a obra e a tecnologia de Tesla.
Entre outras áreas, Tesla inventou, mas não levou os méritos, dos seguintes inventos: 
o rádio,
o motor de corrente alternada,
um sistema padrão elétrico no mundo,
a lâmpada de pastilha de carbono (luz de alta frequência),
o microscópio eletrônico,
o avião com levantamento e aterrisagem vertical,
a ressonância,
o radar,
o submarino elétrico,
a Bobina Tesla,
o "Raio da morte",
o controle remoto,
o Raios X,
métodos e ferramentas para o controle climático,
a  transmissão de vídeo e imagens por métodos sem fio,
transferência sem fio de energia,
sistemas de propulsão de meios eletromagnéticos (sem necessidade de partes móveis),
extração de energia em grandes quantidades a partir de qualquer ponto da Terra, etc. 
Deveria ser considerado o maior cientista e inventor da história, mas Tesla morreu só, esquecido, abandonado, como outros grandes sábios da história da humanidade, no seu quarto de hotel, aos 86 anos. Foi encontrado por uma empregada de limpeza no dia seguinte.
Nesse mesmo dia, em plena Segunda Guerra Mundial, o FBI encarregou-se de requisitar todos os seus materiais, instrumentos e cadernos de notas criando assim o "Informe Tesla" e fizeram registros e buscas nos lugares onde Nikola Tesla pudesse ter anotações ou referências dos seus inventos. A mão negra dos interesses particulares obscuros, usando a máquina policial pública de investigações. Nada de novo no mundo inteiro.
Hoje em dia todo o seu trabalho está sob segredo de estado. Porquê? De que têm medo? Por que eles detêm o segredo da energia livre e gratuita inventada por Tesla, e não é conveniente que caia nas mãos da sociedade, porque se quebraria todo o esquema econômico que nos impuseram as multinacionais e o poder econômico.
O governo invisível, esse que está por trás do real, que controla a sociedade e a submete aos seus caprichos, realizou um trabalho fenomenal com Nikola Tesla, expulsando-o da história, encarregaram-se de que fosse julgado como excêntrico e louco, levando-o à ruína e à morte no esquecimento.
Esta é a sua história, o seu legado, a sua vida, a sua realidade e como foi submerso, escondido por querer dar ao mundo um nível de vida que hoje não é possível. É por essas razões que consideram o ser humano como uma espécie perigosa.
Devemos tirá-lo do esquecimento, colocá-lo num pedestal e exigir que as suas descobertas não continuem  sequestradas e se coloquem ao serviço do progresso mundial, do progresso da humanidade, não de uns poucos, para benefício próprio e para prejudicar outros seres humanos, usando-as inclusive também como armas climáticas.
Você não sabia não é?

Há um vídeo e um filme interessantes sobre Tesla:



Secret of Nikola Tesla O filme 1980 - Legendado







Nenhum comentário:

Postar um comentário