domingo, 17 de fevereiro de 2013

Deus segundo Spinoza


 SPINOZA (1632 – 1677), nasceu em Amsterdã na Holanda sob o signo de Peixes (sensibilidade), mas com o Sol em conjunção com Mercúrio (razão) como um bom teólogo, filósofo e racionalista. Era de uma família judaica de origem portuguesa fugida da "Santa Inquisição" naquele país ibérico. Ser judeu naquela época em Portugal só não era pior que na Alemanha dos anos 40.
Foi um dos pais da filosofia moderna acompanhado por Descartes e Leibnitz. Seus interesses tocavam a Ética, Metafísica, Teologia, Lógica e por aí afora. Estudioso dos livros cristãos, judaicos, islâmicos, Platão, Sócrates e outros, ganhou fama por duas razões: primeiro pelas suas posições opostas à superstição (ele dizia em latim “Deus sive natura...”, ou, “Deus, ou seja, a Natureza...”, um conceito filosófico-teológico insuportável naquelas coordenadas europeias de tempo e espaço), e em segundo lugar devido ao fato da sua ética ter sido escrita sob a forma de postulados e definições, como se fosse um tratado de geometria. Enfim, razão somada à sensibilidade.
Curiosamente,  o texto abaixo soa familiar aos nossos ouvidos hoje, nesse tempo de contradições, terremotos físicos, religiosos e mentais, apocalipse e renovação. Acredite, essas palavras foram ditas em pleno Século XVII. É como se Deus, segundo a concepção de Spinoza, estivesse falando para você:

“Pare de ficar rezando e batendo no peito! 
O que eu quero que você faça é que saia pelo mundo e desfrute de tua vida.
Eu quero que você goze, cante, divirta-se e que desfrute de tudo o que Eu fiz para você.
Pare de ir a esses templos lúgubres, obscuros e frios que você mesmo construiu e que acredita ser a minha casa.
Minha casa está nas montanhas, nos bosques, nos rios, nos lagos, nas praias.
Aí é onde Eu vivo e aí expresso meu amor por você.
Pare de me culpar da tua vida miserável:
Eu nunca disse que há algo mau em você ou que era um pecador, ou que sua sexualidade fosse algo mau.
O sexo é um presente que Eu dei e com o qual você pode expressar seu amor, seu êxtase, sua alegria.
Assim, não me culpe por tudo o que o fizeram crer. 
Pare de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver comigo.
Se não pode me ler num amanhecer, numa paisagem, no olhar de seus amigos, nos olhos de seu filhinho... não me encontrará em nenhum livro!
Confie em mim e deixe de me pedir. Você vai me dizer como fazer meu trabalho? 
Pare de ter tanto medo de mim. Eu não o julgo, nem o critico, nem me irrito, nem o incomodo, nem o castigo. 
Eu sou puro amor.
Pare de me pedir perdão. Não há nada a perdoar. Eu fiz você... 
Eu o enchi de paixões, de limitações, de prazeres, de sentimentos, de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio.
Como posso culpar você, se responde a algo que eu coloquei em você?
Como posso castigar por ser como você é, se Eu sou quem fez você?
Crê que eu poderia criar um lugar para queimar a todos meus filhos que não se comportem bem, pelo resto da eternidade? 
Que tipo de Deus pode fazer isso? 
Esqueça qualquer tipo de mandamento, qualquer tipo de lei; essas são artimanhas para  manipular você, para controlar, que só geram culpa em você.
Respeite seu próximo e não faça o que não queira para você 
A única coisa que peço é que preste atenção à sua vida, que seu estado de alerta seja seu guia.
Esta vida não é uma prova, nem um degrau, nem um passo no caminho, nem um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso.
Esta vida é a única que há aqui e agora, e a única que você precisa.
Eu fiz você absolutamente livre. Não há prêmios nem castigos. 
Não há pecados nem virtudes. Ninguém leva um placar. Ninguém leva um registro.
Você é absolutamente livre para fazer da sua vida um céu ou um inferno.
Não poderia dizer a você se há algo depois desta vida, mas posso dar um conselho. Viva como se não houvesse.
Como se esta fosse a sua única oportunidade de aproveitar, de amar, de existir. 
Assim, se não há mais nada, terá aproveitado da oportunidade que eu dei. 
E se houver, tenha certeza que Eu não vou perguntar se foi comportado ou não. 
Eu vou perguntar se gostou, se se divertiu... Do que mais gostou? 
Pare de crer em mim. Crer é supor, adivinhar, imaginar. 
Eu não quero que acredite em mim. Quero que me sinta em você.
Quero que me sinta em você quando beija a sua amada, quando agasalha tua filhinha, quando acaricia o seu cachorro, quando toma banho no mar. 
Pare de me louvar! Que tipo de Deus ególatra tu acreditas que Eu seja?
Me aborrece que me louvem. Me cansa que agradeçam.
Você se sente grato? Demonstre cuidando de você, de sua saúde, de suas relações, do mundo.
Você se sente olhado, surpreendido?... Expresse sua alegria! Esse é o jeito de me louvar. 
Pare de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que te ensinaram sobre mim. 
A única certeza é que você está aqui, que está vivo, e que este mundo está cheio de maravilhas. 
Para que precisa de mais milagres?
Para que tantas explicações?
Não me procure fora! Não me achará. Procure-me dentro de você... aí é que estou." 

EINSTEIN, quando perguntado se acreditava em Deus, respondeu: “Acredito no Deus de Spinoza, que se revela por si mesmo na harmonia de tudo o que existe.”

4 comentários:

  1. Muito lindo!
    Esse deus transloucado do velho testamento não está com nada.

    Abraços,

    ResponderExcluir
  2. De qual obra foi retirado tal texto?

    ResponderExcluir
  3. https://www.youtube.com/watch?v=jiavM3TPqbQ

    Que Deus tenha misericórdia,arrependam-se e creiam em Jesus Cristo.
    Deus é amor sim,mas também é justiça.
    Estudem a Biblia Sagrada o Livro dos Livros,o único livro que você pode ler com a presença do Autor Deus Santo Santo Santo.

    ResponderExcluir
  4. Apesar de atribuído a Baruch Spinoza, esse texto não se encontra em nenhum das obras escritas por ele; trata-se de um texto apócrifo, escrito por algum simpatizante, que reflete, em parte, o pensamento de Spinoza sobre deus.

    ResponderExcluir